CAASP - Caixa de Assistência dos Advogados de São Paulo

Comissão de Marketing Jurídico

COORDENADORA:

DRA. TALITA DANTAS NUNES PINHEIRO

 

COORDENADOR ADJUNTO:

DR. MARCOS VICHIESI

 

MEMBROS:

DRA. ALESSANDRA ISABELLE ABOU-KHATER

DR. CARLOS ROBERTO DOS SANTOS

DRA. MÁRCIA APARECIDA DO NASCIMENTO

DR. MARCELLO KOVALSKI BALTA

DR. RODRIGO FERREIRA PIMENTEL MONTEIRO DE BARROS

DR. DANILO SANTOS DE SOUZA

DRA. THAIS APARECIDA DA SILVA

 

___________________________________________________________________________________

INTERNET

Não existe quem discorde nos dias atuais de que a internet revolucionou a forma como lidamos com o mundo. Nos tempos antigos, quando alguém procurava um serviço ― como pedir uma simples pizza, por exemplo ― abria a boa e velha lista telefônica ou ligava para o bom e velho porteiro pedindo aquela indicação "esperta".

Hoje, quando alguém precisa de um serviço, de um produto, não pensa duas vezes e recorre ao Google, lê comentários, pesquisa a reputação do prestador e analisa se o produto oferecido lhe agrada, e por fim fecha negócio.

E essa mudança não passou despercebida no mundo jurídico. A busca por advogados na internet já é mais comum que a pesquisa por outros meios. Uma pesquisa feita em 2014 — e só divulgada no final do ano passado[1] — pelo FindLaw.com e pela Thomson Reuters mostra que os costumes relacionados à contratação de advogados mudaram e muito na última década.

Em 2005, a internet era a última opção de busca de advogados. Hoje porém é a mais popular.

De acordo com a pesquisa, atualmente 38% dos entrevistados declararam que usam a internet em primeiro lugar, para buscar informações sobre advogados. Já 29% pedem recomendações; 10% buscam informações nas seccionais locais da Ordem dos Advogados dos EUA — a American Bar Association (ABA) — e pasmem-se ainda existe os 4% que procuraram por advogados nas páginas amarelas da lista telefônica.

Vale ressaltar a observação de que o “povo” é o americano. Mas é claro que isso reflete uma tendência mundial.

O levantamento traz uma visão apenas parcial dos esforços de marketing dos advogados e dos escritórios de advocacia, ao se referir à internet. Isto é, website, blogs e artigos publicados certamente exercem um efeito na mente das pessoas.

Os dados ignoram, no entanto, outros esforços de marketing dos advogados, como as ações de relacionamento (networking), o envio de newsletters, as palestras em seminários, workshops, trabalhos em associações profissionais e comunitárias etc.

A pesquisa também deixa de lado o fato de que muitas pessoas consultam parentes, amigos, colegas de trabalho e muitas outras pessoas, algumas que sequer conhecem pessoalmente, através da internet, seja por redes sociais ou por e-mail, conforme reconheceu o pesquisador do FindLaw.com em entrevista ao Jornal da ABA.[2]

Mas, não há dúvidas de que a tendência é clara. Prova disso é discriminação da pesquisa por faixa etária. Como esperado, a internet é o meio mais popular de pesquisa de advogados entre as pessoas mais jovens. Cerca de metade dos entrevistados, na faixa etária de 18 a 34 anos, bem como 41% dos entrevistados na faixa etária de 35 a 44 anos, apontaram a internet como o principal meio de busca de advogados.

Por isso hoje, um advogado precisa, para alcançar sucesso, estar conectado em redes sociais e também dispor de um blog jurídico de qualidade.

 

Para saber como deve ser o blog jurídico de um advogado, confira as dicas que separamos abaixo!

1. Siga um plano de mídia online

Primeiro, é preciso deixar claro que a internet não funciona sozinha. Para ter um blog jurídico bem-sucedido que atraia clientes, que traga resultados, também é preciso investir em uma presença online com um plano de marketing digital consistente, que inclua a atuação em outros sites de publicação, redes sociais e um site institucional, por exemplo. O blog é uma das ferramentas que a internet oferece e deve estar conectado com suas demais formas de alcance. Seu blog com produção de conteúdo deve ter links que levem para os demais lugares digitais. 

2. Escolha a plataforma ideal

Existem muitas plataformas de publicação (WordPress e Blogspot, por exemplo) que podem servir para criar um blog jurídico. Elas possuem versões grátis e versões pagas, sendo que em ambas é possível ter um domínio próprio, inclusive. As versões grátis têm funcionalidades já úteis, mas é fato que as versões pagas passam uma melhor imagem de profissionalismo, e é a sua marca no mercado que está em jogo. Experimentar a versão grátis é uma boa forma de saber se vale a pena pagar por essa plataforma depois.

3. Especialize-se no blog

Tornar-se referência não é um caminho fácil, mas, com certeza, é recompensador. Especializar-se em uma área (ou algumas poucas áreas) pode ser uma boa forma de construir um blog jurídico de sucesso, ser muito generalista pode não trazer o resultado almejado. Isso ajuda a gerar um público mais focado, cativo e torna sua atuação referência também naquela área escolhida. O especialista é, hoje, um profissional mais procurado, especialmente pelas formas de afunilamento de buscas online.

4. Crie conteúdo interessante e atrativo

Um passo muito relevante é que o conteúdo do blog jurídico deve, necessariamente, ser interessante, atrativo e acessível. É preciso que o potencial cliente se interesse pelo assunto e compreenda bem a questão explicada no texto, é preciso ser claro, objetivo e acima de tudo, deve prender a atenção do leitor. Nesse momento a didática na hora da produção de conteúdo, faz toda a diferença, isso aproxima o leitor de se tornar um potencial cliente, ao gerar confiança no conhecimento do advogado. Textos atrativos possuem informações, dados, pesquisa e são escritos com leveza. Criar conteúdo interessante é, na verdade, o maior desafio de qualquer blog.

5. Tenha periodicidade

Um blog jurídico precisa ser alimentado com textos periódicos. Não basta postar um texto e esquecê-lo, mas sim manter uma constante atualização e sempre trazer material novo. Isso deve ser seguido religiosamente e serve para manter o interesse dos potenciais clientes, levando em conta que sempre que quiser se atualizar sobre a sua área de especialização, terá um endereço certo, fora que aumenta consideravelmente as chances de ser encontrado em mecanismos de busca.

 

6. Dê atenção para a aparência

A aparência do blog jurídico também é algo muito importante. Deve-se evitar cores carregadas ou visual muito poluído, pois isso cansa o leitor e desvia o foco do conteúdo. O ideal é perseguir um visual minimalista, que tenha a imagem do escritório e passe segurança e confiança, seguir o padrão do site institucional é um bom caminho.

Com essas dicas, é possível começar a construir um blog jurídico de sucesso. Fique à vontade para tirar dúvidas ou deixar comentários abaixo, aproveite para curtir e compartilhar nas redes sociais.

Se você precisar de ajuda, entre em contato!

Até a próxima!

Dr. Danilo Souza


______________________________________________________________________________

 

 

MARKETING JURÍDICO: COMO MELHORAR O ATENDIMENTO DO SEU ESCRITÓRIO?

 

O marketing jurídico é uma área bem delicada para ser abordada, pois existem algumas práticas que são proibidas pelo Estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil. Porém, nesta coluna abordaremos dicas de gestão para advogados, que, em sua maioria, são profissionais autônomos que trabalham em seus escritórios, normalmente, gerenciados por eles mesmos, onde, precisam dar conta das atividades corriqueiras, como protocolos, teses, elaboração de petições, dentre outras tarefas.

O meu objetivo neste post é abordar premissas básicas e dar algumas dicas para que possam aplicar em seu dia a dia e tornar seu negócio mais eficiente e eficaz no que tange ao atendimento ao cliente.

Se você já possui o hábito usar estas práticas, saiba que está um passo à frente no atendimento ao seu cliente.

1 – O cliente precisa ter feedback

Esse é um grande desafio, pois, quando o advogado trabalha em seu próprio escritório, normalmente o feedback é dado ao final do processo ou quando o ato precisa da parte, nesse momento, realiza-se o contato com o cliente.

Dica: Para criar um relacionamento com o cliente, adquira o hábito de rotineiramente ligar apenas para “dar uma satisfação”, falar sobre o andamento do processo, perguntar ao cliente se  precisa de alguma orientação, enfim, mostrar ao cliente que o processo não está “esquecido”. Um simples ato como esse demonstrará ao cliente que você tem o controle sobre o problema dele e que ele pode ficar tranquilo, que você está cuidando do processo.



2- Organize seus clientes numa lista de CRM

Enquanto grandes escritórios normalmente têm softwares de gestão de clientes, processos e prazos, pequenos escritórios trabalham com pastas de clientes, sem maiores dados organizados dos clientes.

Dica: Revise sua lista de clientes, agrupe as informações  em uma planilha de fácil visualização, para que de uma forma geral, você possa ter um único documento com a sua lista de clientes e facilitar a execução de outras dicas que daremos a seguir.



3- Congratule seus clientes

Parece algo tão simples, mas quem não gosta de receber um “parabéns” no dia do aniversário?

Assim como você, seus clientes também gostam de receber felicitações.  Quando essa vier através de e-mail, mensagem de texto ou até mesmo uma ligação vinda de você, isso novos horizontes com esse cliente.

Um cliente que é bem atendido, vai gerar muitas outras indicações para você, porém, o mal atendimento também gera uma propaganda ruim do seu trabalho.

Por isso, atenda bem seu cliente nos detalhes, que você estará um passo a frente no mercado que atua.

 

4 – Esteja SEMPRE disponível

O que dizer quando seu celular profissional toca naquele final de semana que você está descansando de uma semana cheia de prazos e que foi extremamente estressante?

Você atende ou retorna na segunda-feira subsequente?

A resposta é: atenda a ligação, no mínimo para dizer que não pode falar naquele momento. Você precisa estar presente em todo o momento para o seu cliente. Ele vai te ligar quando precisar de uma orientação relativa ao processo, para saber sobre uma cláusula no contrato, enfim, você será o ponto de intersecção entre o seu cliente, a dúvida e a solução.

Quando você se relaciona com seu cliente, isso fluirá normalmente.

 

5 – Se relacione

Toda e qualquer pessoa é um potencial cliente para você, seja pessoa física e jurídica.

Por isso se relacione, tenha sempre em mente que você é um agente de solução. Dessa forma, compreenda a situação-problema do cliente, o que está ao redor, escute atentamente e depois disso, ofereça ao cliente a solução.

 

Busque ampliar e gerenciar a sua rede de contatos. Com esses passos iniciais, seu atendimento será um sucesso!

 

Envie suas dúvidas ou casos concretos, estamos à disposição para ajudá-los no seu dia a dia.


Talita Dantas

11 98410-2835